Como avaliar uma ideia?

Tempo de leitura: 7 minutos

Como avaliar uma ideia de negócio?

A possibilidade de sucesso de uma ideia de negócio é uma dúvida que muitos empreendedores têm. Pessoas que questionam muito, procuram soluções, tendem a ter muitas ideias ao mesmo tempo. Acabam ficando perdidas sobre qual delas deve ser colocada em prática. Como saber se vale à pena investir?

Para colocar uma ideia de negócio em pauta, você deve avaliar cinco tópicos: Necessidade, Entrada, Controle, Tempo e Escalabilidade.

Detalharei cada um e explicarei porque violar um desses tópicos pode fazer com que seu negócio falhe. Ou, se transforme em algo muito custoso (em forma de tempo ou dinheiro). Aqui, listo 5 tipos de negócios online lucrativos.

Necessidade:

O primeiro passo ao pensar em que nicho empreender é pesquisar e avaliar se há uma necessidade para aquele serviço ou produto.

Imagine que você queira abrir um estúdio de Karatê. Deve visitar o local aonde deseja abrir o negócio para ver se existe uma demanda por aquele serviço na região.

Se for um bairro residencial, com muitos idosos, a chance do negócio dar certo é pequena. Você está ignorando a primeira regra: necessidade.

Como avaliar uma ideia: Empreendimento Karatê
Empreendimento Karatê: Existe a necessidade?

Se não houver uma necessidade para o que você está oferecendo, então, não vale à pena começar o investimento. A quantidade de pessoas no local que frequentariam o estúdio seria muito baixa.

Além de não existir escala, uma das outras normas para avaliar a possibilidade de sucesso.

Entrada:

No segundo, que é a entrada no mercado, este tipo de negócio, já “filtra” mais a quantidade de pessoas. O investimento inicial é alto: alugar um local, investir no tatame, contatar professores, recepcionistas, secretárias, etc. Isso já exclui uma boa quantidade de pessoas a entrar e começar neste tipo de negócio.

Se é alguma coisa que “todo mundo está fazendo” tome muito cuidado. Toda entrada em algum negócio deve ter o mínimo de dificuldade. Se a barreira de entrada é apenas preencher um formulário, olhos bem abertos. Pode significar um mercado bastante saturado, em que a competitividade é monstruosa e com pouca margem de impacto nas pessoas.

Entrada de Segurança
Toda entrada em algum negócio deve ter o mínimo de dificuldade. Quanto mais difícil for entrar e se manter em um mercado, menos competição haverá.

Controle:

O terceiro tópico é o controle. Ter um negócio próprio é como dirigir um carro no banco do motorista ao controle do volante.

No caso do estúdio de Karatê, você tem controle sobre todos os aspectos do negócio. Desde à programação das aulas e seus horários até o controle de pessoal, alunos e do financeiro (preços que você irá cobrar).

Controle do seu negócio é como ter o controle de um carro
Você precisa ter controle do seu negócio assim como você tem controle do volante do seu carro.

Um exemplo de negócio que você não tem o controle são as franquias (quando você é o franqueado, e não o dono). E marketing multinível (quando você não é o criador da empresa de distribuição).

Em nenhum dos exemplos você tem controle sobre o verdadeiro orçamento da empresa, nem dos produtos, nem das leis. Você é um distribuidor de produtos de terceiros. Qualquer mudança na política de privacidade ou no modelo de negócio dessas empresas e pronto: lá se vai sua renda. Boom! Você estava sentado no banco de trás do carro e sofreu uma batida.

Tempo:

O quarto tópico é o tempo. É o patrimônio mais importante que temos. A maioria das pessoas deseja ter mais tempo livre, viajar, ou não acordar com o despertador. Basicamente, querem ter a liberdade, sem trocá-la por dinheiro.

Voltando ao caso do Karatê, a quantidade de tempo gasto para que o negócio continue funcionando é bastante elevada. Manutenção do tatame, manutenção das instalações, e manutenção dos recursos humanos (professores, limpeza, recepção). Isso poderá te colocar numa prisão dentro do seu próprio negócio.

Veja o exemplo abaixo:

Tempo é o patrimônio mais importante que temos.
Tempo é o patrimônio mais importante que temos. Embora muitas pessoas não dêem o determinado valor.

Fernanda é empregada em uma empresa de Recursos Humanos há dez anos e ama café. Cansada do seu trabalho e infeliz, decide que é hora de abrir seu próprio negócio. Ela junta suas economias e abre sua própria cafeteria no próprio bairro onde mora. A maioria dos moradores são jovens e estão sempre atrasados para o trabalho, muitas delas compram em sua cafeteria. O mesmo se repete depois do almoço e também durante noites frias. O negócio de Fernanda vai indo bem, porém, ela não tem mais tempo livre. Trabalha sete dias na semana, o que faz com que ela se sinta presa em um negócio não muito diferente de seu emprego anterior. Inclusive, com mais horas de trabalho e gestão de seus funcionários. Contratar mais funcionários ou um gerente iria custar muito caro. Não tendo mais condições e se sentindo infeliz, decide vender seu espaço e sua empresa.

O projeto de Fernanda falhou no quesito tempo. Ao invés de trazer liberdade e prosperidade, transformou a vida dela em uma vida de servidão. Ela não era dona de seu negócio. Seu negócio era seu dono.

Escala:

O quinto quesito é a escala. “Se você quiser ter milhões, impacte milhões“. No caso do estúdio de Karatê, não possui escala. Existe um número limitado de pessoas para atender. Além disso, também existe o limite físico e atinge apenas pessoas em um determinado raio.

Nesse caso, a saída seria abrir franquias deste estúdio, o que ficaria muito caro e necessitaria mais investimento. Mas, foi assim que várias empresas cresceram a nível mundial. McDonald’s e Starbucks são bons exemplos.

Servem milhões de pessoas, todos os dias. Sem escala, a melhor maneira de se atingir um bom retorno é através da magnitude. Sobre esse assunto, falarei em outro texto. Para ilustrar o poder da escala: imagine que você venda amendoim por um real. Se você vender um milhão de amendoins, você ficou milionário.

Impacte milhões
Quer fazer milhões? Impacte Milhões. Resolva um problema de milhões de pessoas.

O site Amazon (http://www.amazon.com) vende milhões de e-books e fica com uma percentagem de cada venda. É capaz de distribuir o produto para milhares de pessoas ao redor do mundo. É o segundo pilar de um negócio: 1. Criação e 2. Distribuição.

Conclusão:

Antes de prosseguir com a sua ideia, veja se ela se enquadra nestes quesitos: Necessidade, Entrada, Controle, Tempo e Escala. Ou, em pelo menos, quatro deles.

Exemplos de negócios que atendem os cinco quesitos: e-commerces como o Mini In The Box, AliExpress, MercadoLivre, entre outros. Sites de venda de produtos onde o dono do site fica com uma percentagem da venda. Sites de transação de veículos, como o Webmotors. Aluguéis de sistemas de conteúdo, livros de auto-ajuda e educação financeira, etc.

Tente unir sua ideia de negócio com os 5 quesitos listados acima. Trabalhe produzindo bons conteúdos que realmente ajudem as pessoas. A compra de seu produto ou serviço será a consequência de problemas solucionados. Ensino como mensurar um mercado pelas buscas do Google aqui e aqui.

Está gostando do artigo?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

Sobre Frederico Fortes

Formado em publicidade e propaganda pela PUC do Rio de Janeiro e criador de produtos digitais. Criou um sistema de gestão de conteúdo para websites que atualmente aluga e gera receita mensal recorrente. Este blog tem como objetivo fornecer técnicas de marketing, visão de empreendedorismo e de persuasão para que pequenos empreendedores e freelancers possam aumentar suas receitas escalando seus serviços ou produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *